Retratos entre o primeiro prato e a sobremesa

Depois de um longo tempo sem actualizar o meu blog, cá estou eu para dar notícias a todos os que me procuram. Em poucas palavras resumo a actividade intensiva dos últimos três meses de casamentos. Estamos a meio da época e todo o tempo é usado para registar e processar as memórias de todos os que me confiaram esta difícil tarefa. Não sobra tempo para mais. De quando em vez, lá vou actualizando o meu stream no facebook mas o tempo para o flickr ou twitter já não sobra. Ao longo destes três meses, as experiências têm sido muitas e o conhecimento que vou adquirindo deste meio revelar-se-á, a seu tempo, precioso. Tenho a certeza disso. Com as “minhas noivas” faço sempre questão de partilhar dicas, ideias, contactos dos profissionais com quem me cruzo e cujo o trabalho considero recomendável. O contrário também se aplica. A dica que me parece mais importante partilhar convosco é o facto óbvio de que todos os serviços presentes no dia do vosso casamento se cruzam com a fotografia e com a vossa fotógrafa. É por esta razão que os fotógrafos devem ser dos primeiros profissionais, logo após o local para fazer a festa, a serem contratados e a sua opinião sobre a forma como os eventos vão decorrer deve ser perguntada e ouvida, nomeadamente no que respeita a questões que se prendem com a luz e a optimização das horas para fotografia em espaços interiores e exteriores. É por esta razão que se contratam fotógrafos caso contrário as imagens captadas pelos amigos seriam mais do que suficientes. Dito isto, deixo-vos com um dos últimos registos que fiz: um retrato de uma das crianças presente no último casamento onde estive. Estava sentada à mesa e esperava pacientemente pela sua vez de ser servida. Ao contrário do que muitos pensam a hora do banquete reune todas as condições necessárias para fazer retratos dos convidados: as pessoas estão aprumadas e disponiveis para serem fotografadas. Que mais pode pedir um fotógrafo?

  • zezinha said:

    Teve sorte com a miúda! Muitas das vezes os convidados quando lhe apontam a maquina fecham os olhos de propósito ou lhe viram a cara,,, tens muita tagarela...

    • Caro Zézinho, tenha paciência e atitude. Aprenda a saber esperar e a cativar a simpatia e curiosidade dos convidados presentes na festa e verá que os seus resultados melhoram significativamente. Grata pelo seu comentário, até breve.

  • Mia said:

    Excelente retrato e a Matilde tem toda a razão, a curiosidade deve ser cativada, conquistada e a menina foi-o claramente, o seu olhar denucia-o tão bem.
    Parabéns mais uma vez.

  • Um retrato belíssimo, repleto de luz! A técnica certa no melhor momento. =)
    É o saber captar esse momento que distingue os bons fotografos de todos os outros...
    Parabéns sinceros!

  • Joana said:

    A miúda de facto, está lá, mas o excessivo tratamento que a foto levou não é de forma alguma agradável, pelo contrário.

    Os olhos parece que foram arrancados de uma outra foto e colados por cima de um rosto, tal é o recorte que a córnea levou Depois há uma falha enorme no lado direito do rosto da menina, onde o blur e o high key não foram devidamente aplicados. Em condições "normais" até poderíamos falar de sombra, mas falha completamente o propósito.

    O que ainda me choca mais, é que só a zona superior da foto foi mexida, se olharmos para a t.shirt e pescoço, vemos que foi uma edição feita por cima de uma qualquer conversão barata para preto e branco.

    • Cara Joana,
      Em primeiro lugar agradeço-lhe o tempo que dispendeu na análise cuidada da minha imagem e a opinião que escreveu sobre ela. O minímo que posso fazer para retribuir a importância que foi dada ao meu trabalho, é publicá-lo. Mas mais do que isso, mostro-lhe a imagem original. Não existe blur aplicado nesta imagem. As áreas que estão desfocadas são resultado da reduzida profundidade de campo. Existe, originalmente, uma mancha branca, que ao que me lembro corresponderia a uma das rosas na mesa. Decidi atenuá-la por ser um factor de distração. A luz presente no cabelo corresponde à luz original. Foi estendida e acentuada na parte inferior esquerda. Todos os elementos que na altura do registo eram parte do enquadramento, continuam na imagem. No que respeita ao processamento as minhas intervenções são pessoais. São resultado do meu gosto pessoal e estético, nada têm a haver com o que está certo ou errado, bem aplicado ou mal aplicado. Quando decido mostrar o meu trabalho, tenho sempre presente que haverá os que gostam muito e os que não gostam nada. Parece ser o seu caso. Mas não é assim com todos os artistas?
      A Joana escreve num tom autoritário de quem tem, ou pretende ter, uma certa mestria no processamento de imagens. Não tenho a pretensão, nem a veleidade, de achar que faço melhor do que outros. Faço o meu trabalho com humildade e posso dizer-lhe que todos os dias aprendo coisas novas com gente que faz melhor do que eu e assim sendo fico à espera que me mostre o seu.