Casamento na Penha Longa, Sintra

Sintra, 29 de Dezembro de 2010. O casamento da Alexandra e do Bruno ainda sabia a Natal. O dia amanheceu invernoso, e cinzento, mas prometia melhorar assim que a kizomba e o semba de Angola começassem a rolar nos pratos do DJ Kadu. Porque nasci em Angola e por lá passei a minha infância, estes ritmos são-me familiares, cresci com eles nas festas de fim de semana que começavam à sexta-feira nas casas dos pais e dos amigos. Entre longos dias de praia, viagens de barco entre Belas e o Mussulo e as mariscadas ao final da tarde que se prolongavam pela noite dentro, a música estava sempre lá, sempre presente. E foi na expectativa de registar uma grande festa que comecei o meu dia na Penha Longa.
O Bruno e a Alexandra estavam serenos, acompanhados da família próxima e dos amigos de ambos. Ao longo de todo o dia foi visivel a admiração e o envolvimento dos dois e das respectivas famílias.

O Bruno preparou-se num abrir e fechar de olhos. Com os noivos é quase sempre assim. As horas de penteados complicados e a maquilhagem sofisticada não existem no ritual da preparação. Falamos de Angola e travamos uma luta sem par com o nó da gravata que ninguém sabia fazer. Criou-se o clima de boa disposição e a proximidade necessários para que a pressão da câmara e da lente que nos separa não seja sentida.

Na fotografia de casamento, por ventura de todas as áreas da fotografia a mais difiícil, o tempo voa e nunca se compadece com as necessidades de uma fotógrafa criativa. Acho sempre que nunca chega para o que eu queria ou gostaria de ter feito. Ainda que se planeie tudo, há sempre imprevistos de última hora para reclamar o tempo extra que contávamos vir a ter. Deixamos então o Bruno, na companhia do padrinho, para nos encontrarmos com a Alexandra, que se preparava na companhia da mãe e das amigas.

Shhh, bride getting ready.


Na busca constante pela fotografia do dia, poder registar momentos de partilha e emoção entre os vários membros da familia é um privilégio. Afinal de contas o que pode haver de mais fabuloso senão o afecto dos que nos são queridos e com quem escolhemos partilhar os melhores momentos da nossa vida?

Fim de tarde. A hora da cerimónia havia chegado e a luz fugia a passos largos. A Alexandra e o Bruno casaram numa cerimónia intíma, muito envolvente.

e acabou com umas quantas palavras de agradecimento endereçadas por ambos aos amigos e às famílias.

Seguiu-se um cocktail e o jantar de recepção oferecido aos convidados! A organização de todo o casamento esteve a cargo The Wedding Company.

O bolo dos noivos? Yummi! Pistachio com cobertura de chocolate branco, d-e-l-i-c-i-o-u-s! e ainda um bolo de aniversário preparado para alguém muito especial.





Finalmente a festa. Quando aqui chegamos é a hora de descompressão e começa a diversão!!! Claro, tal como eu esperava, foi “sempre a gingar”! Uma festa de arromba com muito ritmo e carregada de alegria.

Dica: casar a meio da tarde, em Dezembro, requerer um planeamento cuidado do dia, de forma a tirar o máximo partido das poucas horas de luz natural disponíveis. Alguns dos meus clientes têm a preocupação de me perguntar o que penso sobre a hora a que estão planear casar. A resposta é simples: o meu trabalho vive da luz natural disponível e assim sendo nos meses de inverno, em virtude de os dias serem mais curtos, aconselho a que os casamentos se façam ao fim da manhã de forma a evitar, o mais possivel, o recurso à luz artificial.
Já no pico do verão, recomendaria o início das cerimónias apartir das 3 da tarde. Desta forma a preparação dos noivos decorre no interior durante as piores horas de sol, ou seja, entre o meio dia e as três da tarde. Esta é, obviamente, uma recomendação muito genérica. Cada caso é um caso e existem imensos factores que podem condicionar todas estas decisões. Partilhar toda a informação e os planos referentes ao dia, com a pessoa contratada para fazer a reportagem, é mesmo o melhor conselho.

Ao Bruno e à Alexandra, bem como às famílias de ambos, desejo as maiores felicidades e tudo de bom! Grata pela escolha e até breve!

  • Sara said:

    Gostei muito desta reportagem! Pareciam todos tão felizes e animados!!

  • Claudinha said:

    Tão divertido! :) Deve ter sido uma festa de arromba! :)